Você está visualizando atualmente O Que Precisam Os Smartphones Para Voltar A Ser Revolucionários?

O Que Precisam Os Smartphones Para Voltar A Ser Revolucionários?

Pode parecer banal comparar ambas as questões, ou sequer comparar um produto com um estágio histórico, e, obviamente, o seja. Mas com esta exagero, entende-se mais do que o choque que poderá ter em realidadel novo celular da Samsung, o Galaxy S8. Já falamos dele (e de seus acessórios e suas algumas idéias), pelo que não precisará ser repetida. Para mudar o panorama da telefonia de consumo, igual a conhecemos, faz inexistência qualquer coisa mais, uma coisa que neste instante está em ascensão, e que você poderá quase tocar com os dedos, visto que numerosas empresas estão trabalhando nisto. Falamos da inteligência artificial, da realidade aumentada e assim como dos usos mais amplos do telefone móvel.

a Samsung é uma das empresas que estão trabalhando nisto, e não parecem estar se equivocando o tiro. Bixby, sua assistente, com inteligência artificial, é um concorrente mais no quadro imposto pelo Google e a Apple com seus Assistant e o Siri, respectivamente.

De instante, não está claro se o futuro será como Her e os telefones perderão toda a prática para trabalhar com texto e funcionarão somente com a voz, mas se isto suceder, sim estaríamos diante de uma revolução. Bixby, como Assistant e o Siri, ainda estão muito verdes e não contam com a voz de Scarlet Johansson para responder às nossas necessidades, em vista disso que essa possibilidade ainda um tanto remoto.

  • 2010: Compilação em livro, O sem sentido da história. Edição original, por RM Verlag (Portugal)
  • Câmera com menor qualidade, entretanto mais maleável por tua dupla sensor
  • o Cabelo castanho: brute padrão
  • Filtro para importar documentos do CorelDRAW
  • nove iPad Mini três
  • SPSS 14.0.Um – janeiro 2006
  • noventa e seis NEUROCIÊNCIA COGNITIVA

Outra coisa é que sirvam como um extenso complemento e simplificar muitas das ações que, inevitavelmente, exigem gestos ou tempo ou várias batidas em um telefone. Outro ponto em que a Samsung foi bem sucedido e quase tomou a parte de sua eficiência é em utilizar seus telefones para algo mais. A extenso tela dos smartphones, foi morto, em grande proporção, os tablets, no entanto não podem brigar contra um computador ou dispositivos de produtividade. Aí entra o DeX do Galaxy S8, ou a Continuidade da Microsoft ou da última patente da Apple. O que essas idéias realizam é converter-se em os computadores ainda mais poderosos móveis que irão em nossos bolsos.

Não serão pcs de verdade, porém sim alguns poderosos o suficiente substitutos pra trabalhar com texto e edição fácil de fotografia. Isso será possível por intervenção de um acessório ou um software que lhes permita afirmar ligação a um monitor, e se somarmos um teclado e um mouse que conectam-se avenida Bluetooth, e o combo excelente está feito.

o Viveremos em um futuro em que o nosso computador desapareça e que tenhamos um enorme e potente telefone que sirva de verdade, de verdade pra todos? Exibir a imagem do telefone em outra tela e puxar com novos processos certamente consumir a vida vantajoso do móvel antes de que pudéssemos terminar um Excel, se é que o Excel continua a haver. Finalmente, a realidade aumentada. Samsung nesse lugar decidiu apostar mais da realidade virtual, todavia o Google neste momento experimentou nessa área (e falhou) com Glass.

Os óculos tinham tudo: era uma tecnologia inovadora, um pouco retirado da ficção científica e permitia fazer coisas algumas no mundo que nos rodeia. Também montou uma moda tóxica ‘glassholes’ e fez com que muita gente se perguntar se uma pessoa com as Glass enfundadas poderia grabarles mijando sem que se dessem conta. A Apple está trabalhando com isto, e seu CEO, Tim Cook, não brinca citando que esta tecnologia pode ser que substitua o smartphone. Usar o celular como suporte pra óculos de realidade aumentada seria a verdadeira revolução, principalmente no momento em que se junta com os dois aspectos anteriores, principalmente com o de falar ao mecanismo.